domingo, 15 de outubro de 2017

Professores

Feliz por receber tantas mensagens pelo dia do professor...
Venho de uma familia de professores, irmã, mãe, tias, que foram minhas primeiras mestras.
D Carolina no primário, tantos outros no secundário e ainda mais na Universidade.
O que todos teriam em comum, os que me marcaram? 
A atenção que me deram, por terem acreditado em mim, por terem me incentivado...e também por terem sido de certa forma enérgicos, por terem chamado minha atenção.
Por terem mostrado que matemática não era o meu forte infelizmente (não é Prof Higyno?) mas me deu uma segunda chance..
Que minha redação estava boa mas podia melhorar (D Myrna com seu humor sutil), 
Professor Dr JJ Barros que literalmente passou seus longos braços por sobre meu ombro e caminhou comigo me mostrando os caminhos e me "atirando" na vida acadêmica (sem dó!)
Professor João Gilberto da Cunha Moreira que me mostrou a sutileza de uma cirurgia, com delicadeza e humanismo no trato para com os pacientes.
Prof Alvaro Badra, que faço questão de citar em todas as palestras que faço pelo presente que me deu em forma de apostilas apontando caminhos alternativos'
Aqueles que ensinaram com silencio, pelo exemplo de vida e fizeram toda a diferença.
Tantos outros Mestres que nem fazem idéia do quanto mudaram minha vida e se ha um denominador comum é esse; a atenção, o olhar nos olhos, a paciência, o senso de humor e o humanismo e a humildade em querer ensinar como missão e aprender como escolha para seguir seu caminho divino, e , principalmente para aquele(a) que acreditou e enxergou meu primeiro rabisco como algo que valia a pena 
Parabéns Mestres e gratidão por tudo.
Helio Sampaio Filho, professor e aprendiz

sábado, 12 de agosto de 2017

Sou pai



Como todo mundo, tive muitas emoções na minha vida. Momentos inesquecíveis, recordações que a gente pensa de como vale a pena viver. De todas, a maior foi de ser pai.

Deus me proporcionou a oportunidade de crescer, de amadurecer sendo pai, e acho que aproveitei o presente.

Creio ter sido um pai presente, sabendo que muitas vezes, a qualidade da presença é mais importante do que a quantidade de horas e dias juntos.

Sou pai de meninas. Mulheres lindas, amorosas, que me deram netos lindos, amorosos, e tenho consciência de estar deixando como herança valores importantes, e o recado de, sigam suas escolhas, e sejam felizes.

Falhei. E sofri por ter falhado. Filhos não vêm com manual de instrução, tipo  “como funciona”. Então, tentamos transmitir, quase que intuitivamente o que achamos “certo” e o que achamos “errado”, e aprendemos que não existe nem uma coisa, nem outra, existe o amor e pronto. Criei com amor.

Amo minhas filhas. Brigo com elas às vezes. Fico chateado com isto e com aquilo, mas elas têm consciência do quanto eu as amo, e de como elas são importantes na minha vida e como me fizeram crescer, evoluir. Elas são e sempre serão a minha maior motivação de vida, de que são a personificação do amor que tive, em sua concepção.


Sou pai, e me orgulho de minhas filhas. Disfarço (às vezes) mas sou ciumento, quero o melhor para elas (no meu entendimento de melhor), e posso dizer sem errar, que elas são minhas amigas e que confiam em mim, como confio nelas. Gratidão minhas lindas, por me terem feito vivenciar a paternidade, por terem me dado a chance de ser Homem e um pai de verdade.

Amo vocês queridas e me desculpem por ter invertido a homenagem, mas se sou um pai feliz, é por que vocês são as filhas que qualquer pai queria ter.

 Mas.....não terminou! Ainda tem mais! Tenho também um filho...na verdade um sobrinho, afilhado, mas filho de coração, de afinidade, nascido de minha irmã querida que me confiou a missão de “paidrinho” como ele mesmo me chama e que é o irmão querido das minhas filhas. Um parceiro que está geograficamente distante, mas na alma, no pensamento, sempre perto. Já invertemos os papeis algumas vezes e ele me deu o colo que eu precisava tantas vezes que nem sei, que já choramos juntos e rimos muito também. Já o levei no Playcenter , andamos de bicicleta e comemos pastel de feira com caldo de cana. Me ensinou tudo de informática (que ele é fera) que sabe mais de Beatles do que eu que vivi a epoca.


 Torço por ele, que tantas já passou, e é o meu orgulho, por tudo que conseguiu, por tudo o que conquistou e posso chama-lo de filho, com o peito estufado e os olhos brilhando. A ele também minha gratidão pela chance de te-lo como amigo acima de tudo, confidente quando ele sai da casca (heheh), como eu. A você meu querido, minha homenagem invertida também. Te amo muito.
Bem, como perceberam, sou pai, um pai feliz, realizado com os filhos que tenho.
beijo pra quem é de beijo, abraço pra quem é de abraço





segunda-feira, 12 de junho de 2017

Marionetes



Somos como marionetes.  
Fios mais ou menos sutis - às vezes cordas firmes - guiam nossos pensamentos, nossas ações.
Estes cabos são braços Ego.
Seremos felizes ou não, se conseguirmos nos livrar deles, cortar as amarras não dos sonhos! mas dos desejos, que alimentam cada vez mais o Ego, que ilude, que engana, ludibria.
Permitimos que os fios sejam sorrateiramente amarrados no coração, nos braços, nas pernas, em tudo...
Ao invés de falar um "não"  honesto, legitimo, respondemos um "sim", egóico,  que tece uma teia, que se transforma em um fio que nos guia, nos manipula
Uma mão invisível vai assim manejando, tecendo e movimentando cada vez mais as cordas, e vai aprisionando nossa alma, nos escravizando sem que percebamos, prisioneiros que se imaginam livres.
Estamos atados e inconscientes deste estado na maioria das vezes.
A religião move um fio e pronto, estamos nós, agitando nosso pensamento moral, julgando, culpando e nos sentindo culpados!
A cruzeta é manejada pelo teu desejo, e a cabeça se inclina para cima e você não enxerga ao redor, cego de paixão.
O comando não para e você segue sufocado, querendo ir para um lado, mas tarde demais, você vai para onde as amarras te levam.
Como se libertar? Como cortar os fios, as cordas, as amarras....
Nossa alma é livre! Nossa essência é livre! Nada , nem ninguém deve estar no comando, a não ser nós mesmos.
Tão felizes seremos quanto menos fios nos prenderem. Tão livres seremos quanto menos ouvirmos o Ego.
Sejamos!


Marionnette na língua francesa significa boneco (pessoa, animal ou objeto animado) movido por meio de cordéis manipulados por pessoa oculta atrás de uma tela, em um palco em miniatura. Constitui-se numa forma de entretenimento para adultos e crianças.





sábado, 15 de abril de 2017

É Pascoa! Sorriam


Sempre me encanto com a Páscoa. Talvez mais até do que com o Natal...embora aquela confusão-coelho-chocolate-ovo-data que muda sempre, enfim apesar disso, eu gosto.
O que me encanta é o espírito da coisa, digamos assim: a idéia da renovação! A idéia da ressurreição, da oportunidade, de mais uma chance de mudarmos, de verdade! De podermos escolher o caminho, um novo ou o mesmo, mas temos a chance da escolha.
Para mim, os dias que antecedem a Páscoa  ( pessach, transição, transformação, renascimento, ressurgimento, libertação) são estranhos, tensos, aperto no peito, sensação de medo, talvez a mesma que tenha sentido antes de vir a Luz, do meu próprio parto.
Elucubrações e misticismos à parte, com a proximidade da Pascoa as coisas parece que aliviam, sinto a aproximação de uma leveza, talvez da esperança, de dias melhores, de novas opções, de fé no futuro, e o futuro é daqui a pouco!
Que nosso novo ano espiritual comece! Sem as promessas e metas idiotas do dia 31 de Dezembro, mas de verdade! Que possamos aproveitar a chance de uma nova escolha, a escolha de sermos melhores do que temos sido. A escolha de nos renovarmos. A escolha de sermos novos, plenos,  vivos de verdade, felizes e que possamos espalhar a Luz e assim, nos beneficiarmos dela. Chorem, sorriam, abracem, apertem, aproximem a alegria de viver.
Boa Pascoa. Bom renascimento, boa libertação.


domingo, 3 de julho de 2016

Meditando...


Interrompa o que você estiver fazendo por um instante! Pare o que você estiver pensando por um minuto! Você está bem?
E se eu pedir agora para você prestar atenção (simplesmente prestar atenção) na sua respiração? Sem interferir no ato involuntário de respirar. E agora? 
Conseguiria silenciar sua mente por um momento? Prestar atenção no seu corpo?  Bem, se você conseguiu fazer pelo menos uma das coisas sugeridas, deu um passo importante em direção a arte de meditar.
E por que meditar? Esta é a pergunta.
O dia-a-dia de um cirurgião-dentista, só nós é que sabemos como é... ou melhor, nós e nossos familiares que  percebem nossa chegada em casa abatidos, cansados, sempre conectados a algum acontecimento, alguma preocupação que envolve nossa maravilhosa, porém desgastante profissão. E o que fazer?
Aí é preciso esvaziar. Aí é preciso aquietar e dar um mergulho dentro de nós mesmos.
Nos voltarmos para dentro, e buscarmos o equilíbrio necessário.
Na verdade, somos preparados desde o início de nossa vida a produzir, a darmos o melhor de nós mesmos, vencer! Isto acaba tendo um preço, que na maioria das vezes é alto, pois pode custar a nossa própria saúde. Saúde que precisamos promover, sem acabar com a nossa, de preferência.
Segundo um sacerdote taoísta que conheci, meditar é esvaziar a mente dos pensamentos, dos desejos, das expectativas, dos conceitos e pré-conceitos, dos julgamentos e apegos... esvaziar o coração das mágoas, angustias, revoltas, traumas e sofrimentos, ansiedades e frustrações
Difícil? Talvez, mas é preciso tentar. É preciso começar e recomeçar se preciso.
Segundo Osho, nossa mente é tagarela. Não queremos pensar nas coisas, em nossas obsessões, mas tudo continua lá, repetindo, repetindo, repetindo.
A Meditação não precisa estar necessariamente ligada a uma religião, a uma crença. É acima de tudo um estilo de vida. É uma prática pessoal que pode ser aprendida com um professor ou pela prática, sozinhos, com livros por exemplo.
Existem inúmeras técnicas, diversas maneiras de praticar. Tradicionalmente ela está ligada ao taoísmo, ao budismo, ao hinduísmo, mas como já foi dito, o caráter religioso não precisa estar presente, porém devemos buscar nesta viagem interior entrar em contato com nossa espiritualidade, ou seja, nos relacionarmos com algo que vai além de nós, das nossas circunstancias, dando um sentido maior para nossa existência, e isto pode ser alcançado pela religião, pela música, pela arte ou em valores e princípios, dentro de um pensamento, de uma intenção elevada.
Se procurarmos em um site de busca a palavra “meditação”, encontraremos nada mais nada menos do que 1.970.000 resultados! Para “meditação e saúde” os resultados atingem 712.000. Nada mal. Experimente fazer o mesmo para no Medline ou na Bireme. É surpreendente. Pesquisa-se cada vez mais o tema.
Alguns pontos em comum sobre as distintas técnicas e modo de meditar: respiração, relaxamento, ritmo e às vezes sons estabilizadores (mantras, por exemplo).  
Devemos escolher um local adequado (preferencialmente sempre o mesmo, (mas não necessariamente), assim como um horário mais ou menos fixo que pode ser pela manhã cedinho, ou antes de dormir ou quem sabe entre uma consulta e outra...que tal?
Existem técnicas que preconizam um tempo entre 7 a 10 minutos, mas não existe um consenso sobre isto, assim como o número de vezes por dia que deve ser praticada.
A postura deve ser confortável, sentada numa poltrona ou cadeira ou sob uma almofada, com as costas apoiadas e retas e sem tensão.
Meditar deve ser uma oportunidade de brincar, de compartilhar consigo mesmo de um momento de paz e alegria, experimentado o desapego, a não necessidade de termos o poder, de nos renovarmos e conseguirmos naturalmente o aumento do nosso potencial e vislumbrarmos a nossa capacidade intuitiva se aflorar.
Experimente. Vale à pena.  E lembre-se:
 “Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho” Mahatma Gandhi.
Helio Sampaio Filho 
Cirurgião Dentista, Acupunturista e Homeopata e meditante.


domingo, 27 de dezembro de 2015

Sobre 2016 - Um Novo Ano




 
 Sempre achei estranha a simbologia da passagem do ano.
Ficava, mesmo quando pequeno, aguardando ansioso, a metamorfose mágica, ao fim do 3,2,1 “Feliz Ano Novooooo” ... e nada acontecia.
 Em algumas "passagens"  vinha uma emoção estranha, em outras, nada.
Introspecção, tristeza #quasedepressão, sono, e a velha e conhecida ansiedade.
E agora? Como será? O que virá? O que me aguarda? O que nos aguarda? Previsões, expectativas, ansiedade... Metas, promessas, objetivos, planos...
Ah, se fosse possível levantarmos um pouquinho, uma frestinha só desta cortina "invisivelmente densa", que separa um ano do outro...só para ver um trailer quem sabe. O problema é que com ou sem o trailer, vamos vive-lo, experimenta-lo, errando, acertando, crescendo, amadurecendo, esquecendo a contagem regressiva do ano...e da vida, senão a ansiedade pega de vez.
Mas vamos lá, se precisa uma meta, uma lista de realizações, aí vai:
Ser grato, com tudo, com todos. Gratidão. Palavra que incorporei na minha vida e que tem o poder da transformação, da mudança da lente.
Viver cada minuto, cada dia, cada mês e todo este ano próximo, com sabedoria e simplicidade
Praticar a gentileza, sem maiores explicações.
Agora a mais difícil das metas por conta das armadilhas...esquecer do ego, fazer com que ele não interfira nas intensões e nos atos, que se afaste o lado sombrio da força, e se isto não for possível ou fácil, que tenhamos a consciência diária dos malefícios que se tem quando não conseguimos nos livrar dele, e corrijamos a rota, com humildade recomeçando de onde paramos.
A felicidade é realmente o caminho.
Bom Ano Novo... depende de você, depende de mim, depende de nós...
Gratidão queridos e queridas que leram até agora e irão comigo mais um pouco.



domingo, 8 de março de 2015

Dia das Mulheres - para Dulce Maria


DULCE, UMA MULHER
 
Dulce Maria, minha doce irmã que os anjos, seus companheiros de sempre, receberam em outro plano há 20 anos era uma mulher que não precisava de um dia especial para ser homenageada e reverenciada.
Sorria docemente e todos sorriam só com sua presença. Uma guerreira, diziam alguns. De uma força e determinação que assustava e incomodava os covardes e acomodados. Não parava, nunca.
Acordar antes das 4 da manhã para deixar o almoço pronto e depois seguir para lecionar em lugares distantes da Zona Leste era sua rotina. Trem, ônibus, caminhadas. Alunos violentos, mal educados, desrespeitavam todos, mas veneravam D Dulce.
Uma vez, uma amiga conseguiu um cargo político na Secretaria da Educação. Recusou elegantemente. O negócio dela não era esse.
Lecionar não era exatamente o que ela fazia. Era uma educadora, que transformava os ambientes, que envolvia e iluminava sorrindo mesmo na dor. Nunca, nunca ouvi Dulce reclamar, seja da vida, das pessoas, de uma situação, nada...
Preocupada sempre, isto sim, mas com uma fé que motivava e ensinava sem palavras
Para mim, foi uma referência feminina. Melhor dizendo, referência do feminino.
Se eu tomava alguma atitude ou fazia algo que podia ser classificado como errado, mesmo não concordando, ela me olhava com um olhar sério, mas doce que dizia “estou com você mano”.
Brincava como uma moleca, fazia piadas, trocadilhos e como mágica transformava um lápis, um simples lápis decorado com uma fita, em um presente especial.
Hoje, apesar de talvez falhar ao omitir os nomes de mulheres importantes da minha vida, preciso reverenciar e homenagear Dulce Maria Sampaio como um exemplo de mulher que não precisa de um dia especial por fazer por si só todos os dias serem especiais.
Se eu tivesse que escolher uma palavra para definir quem foi esta mulher diria, DIGNIDADE. Beijo cósmico em você irmã querida. Escolho você hoje para homenagear todas as mulheres magnificas que eu conheço.