sábado, 15 de abril de 2017

É Pascoa! Sorriam


Sempre me encanto com a Páscoa. Talvez mais até do que com o Natal...embora aquela confusão-coelho-chocolate-ovo-data que muda sempre, enfim apesar disso, eu gosto.
O que me encanta é o espírito da coisa, digamos assim: a idéia da renovação! A idéia da ressurreição, da oportunidade, de mais uma chance de mudarmos, de verdade! De podermos escolher o caminho, um novo ou o mesmo, mas temos a chance da escolha.
Para mim, os dias que antecedem a Páscoa  ( pessach, transição, transformação, renascimento, ressurgimento, libertação) são estranhos, tensos, aperto no peito, sensação de medo, talvez a mesma que tenha sentido antes de vir a Luz, do meu próprio parto.
Elucubrações e misticismos à parte, com a proximidade da Pascoa as coisas parece que aliviam, sinto a aproximação de uma leveza, talvez da esperança, de dias melhores, de novas opções, de fé no futuro, e o futuro é daqui a pouco!
Que nosso novo ano espiritual comece! Sem as promessas e metas idiotas do dia 31 de Dezembro, mas de verdade! Que possamos aproveitar a chance de uma nova escolha, a escolha de sermos melhores do que temos sido. A escolha de nos renovarmos. A escolha de sermos novos, plenos,  vivos de verdade, felizes e que possamos espalhar a Luz e assim, nos beneficiarmos dela. Chorem, sorriam, abracem, apertem, aproximem a alegria de viver.
Boa Pascoa. Bom renascimento, boa libertação.


domingo, 3 de julho de 2016

Meditando...


Interrompa o que você estiver fazendo por um instante! Pare o que você estiver pensando por um minuto! Você está bem?
E se eu pedir agora para você prestar atenção (simplesmente prestar atenção) na sua respiração? Sem interferir no ato involuntário de respirar. E agora? 
Conseguiria silenciar sua mente por um momento? Prestar atenção no seu corpo?  Bem, se você conseguiu fazer pelo menos uma das coisas sugeridas, deu um passo importante em direção a arte de meditar.
E por que meditar? Esta é a pergunta.
O dia-a-dia de um cirurgião-dentista, só nós é que sabemos como é... ou melhor, nós e nossos familiares que  percebem nossa chegada em casa abatidos, cansados, sempre conectados a algum acontecimento, alguma preocupação que envolve nossa maravilhosa, porém desgastante profissão. E o que fazer?
Aí é preciso esvaziar. Aí é preciso aquietar e dar um mergulho dentro de nós mesmos.
Nos voltarmos para dentro, e buscarmos o equilíbrio necessário.
Na verdade, somos preparados desde o início de nossa vida a produzir, a darmos o melhor de nós mesmos, vencer! Isto acaba tendo um preço, que na maioria das vezes é alto, pois pode custar a nossa própria saúde. Saúde que precisamos promover, sem acabar com a nossa, de preferência.
Segundo um sacerdote taoísta que conheci, meditar é esvaziar a mente dos pensamentos, dos desejos, das expectativas, dos conceitos e pré-conceitos, dos julgamentos e apegos... esvaziar o coração das mágoas, angustias, revoltas, traumas e sofrimentos, ansiedades e frustrações
Difícil? Talvez, mas é preciso tentar. É preciso começar e recomeçar se preciso.
Segundo Osho, nossa mente é tagarela. Não queremos pensar nas coisas, em nossas obsessões, mas tudo continua lá, repetindo, repetindo, repetindo.
A Meditação não precisa estar necessariamente ligada a uma religião, a uma crença. É acima de tudo um estilo de vida. É uma prática pessoal que pode ser aprendida com um professor ou pela prática, sozinhos, com livros por exemplo.
Existem inúmeras técnicas, diversas maneiras de praticar. Tradicionalmente ela está ligada ao taoísmo, ao budismo, ao hinduísmo, mas como já foi dito, o caráter religioso não precisa estar presente, porém devemos buscar nesta viagem interior entrar em contato com nossa espiritualidade, ou seja, nos relacionarmos com algo que vai além de nós, das nossas circunstancias, dando um sentido maior para nossa existência, e isto pode ser alcançado pela religião, pela música, pela arte ou em valores e princípios, dentro de um pensamento, de uma intenção elevada.
Se procurarmos em um site de busca a palavra “meditação”, encontraremos nada mais nada menos do que 1.970.000 resultados! Para “meditação e saúde” os resultados atingem 712.000. Nada mal. Experimente fazer o mesmo para no Medline ou na Bireme. É surpreendente. Pesquisa-se cada vez mais o tema.
Alguns pontos em comum sobre as distintas técnicas e modo de meditar: respiração, relaxamento, ritmo e às vezes sons estabilizadores (mantras, por exemplo).  
Devemos escolher um local adequado (preferencialmente sempre o mesmo, (mas não necessariamente), assim como um horário mais ou menos fixo que pode ser pela manhã cedinho, ou antes de dormir ou quem sabe entre uma consulta e outra...que tal?
Existem técnicas que preconizam um tempo entre 7 a 10 minutos, mas não existe um consenso sobre isto, assim como o número de vezes por dia que deve ser praticada.
A postura deve ser confortável, sentada numa poltrona ou cadeira ou sob uma almofada, com as costas apoiadas e retas e sem tensão.
Meditar deve ser uma oportunidade de brincar, de compartilhar consigo mesmo de um momento de paz e alegria, experimentado o desapego, a não necessidade de termos o poder, de nos renovarmos e conseguirmos naturalmente o aumento do nosso potencial e vislumbrarmos a nossa capacidade intuitiva se aflorar.
Experimente. Vale à pena.  E lembre-se:
 “Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho” Mahatma Gandhi.
Helio Sampaio Filho 
Cirurgião Dentista, Acupunturista e Homeopata e meditante.


domingo, 27 de dezembro de 2015

Sobre 2016 - Um Novo Ano




 
 Sempre achei estranha a simbologia da passagem do ano.
Ficava, mesmo quando pequeno, aguardando ansioso, a metamorfose mágica, ao fim do 3,2,1 “Feliz Ano Novooooo” ... e nada acontecia.
 Em algumas "passagens"  vinha uma emoção estranha, em outras, nada.
Introspecção, tristeza #quasedepressão, sono, e a velha e conhecida ansiedade.
E agora? Como será? O que virá? O que me aguarda? O que nos aguarda? Previsões, expectativas, ansiedade... Metas, promessas, objetivos, planos...
Ah, se fosse possível levantarmos um pouquinho, uma frestinha só desta cortina "invisivelmente densa", que separa um ano do outro...só para ver um trailer quem sabe. O problema é que com ou sem o trailer, vamos vive-lo, experimenta-lo, errando, acertando, crescendo, amadurecendo, esquecendo a contagem regressiva do ano...e da vida, senão a ansiedade pega de vez.
Mas vamos lá, se precisa uma meta, uma lista de realizações, aí vai:
Ser grato, com tudo, com todos. Gratidão. Palavra que incorporei na minha vida e que tem o poder da transformação, da mudança da lente.
Viver cada minuto, cada dia, cada mês e todo este ano próximo, com sabedoria e simplicidade
Praticar a gentileza, sem maiores explicações.
Agora a mais difícil das metas por conta das armadilhas...esquecer do ego, fazer com que ele não interfira nas intensões e nos atos, que se afaste o lado sombrio da força, e se isto não for possível ou fácil, que tenhamos a consciência diária dos malefícios que se tem quando não conseguimos nos livrar dele, e corrijamos a rota, com humildade recomeçando de onde paramos.
A felicidade é realmente o caminho.
Bom Ano Novo... depende de você, depende de mim, depende de nós...
Gratidão queridos e queridas que leram até agora e irão comigo mais um pouco.



domingo, 8 de março de 2015

Dia das Mulheres - para Dulce Maria


DULCE, UMA MULHER
 
Dulce Maria, minha doce irmã que os anjos, seus companheiros de sempre, receberam em outro plano há 20 anos era uma mulher que não precisava de um dia especial para ser homenageada e reverenciada.
Sorria docemente e todos sorriam só com sua presença. Uma guerreira, diziam alguns. De uma força e determinação que assustava e incomodava os covardes e acomodados. Não parava, nunca.
Acordar antes das 4 da manhã para deixar o almoço pronto e depois seguir para lecionar em lugares distantes da Zona Leste era sua rotina. Trem, ônibus, caminhadas. Alunos violentos, mal educados, desrespeitavam todos, mas veneravam D Dulce.
Uma vez, uma amiga conseguiu um cargo político na Secretaria da Educação. Recusou elegantemente. O negócio dela não era esse.
Lecionar não era exatamente o que ela fazia. Era uma educadora, que transformava os ambientes, que envolvia e iluminava sorrindo mesmo na dor. Nunca, nunca ouvi Dulce reclamar, seja da vida, das pessoas, de uma situação, nada...
Preocupada sempre, isto sim, mas com uma fé que motivava e ensinava sem palavras
Para mim, foi uma referência feminina. Melhor dizendo, referência do feminino.
Se eu tomava alguma atitude ou fazia algo que podia ser classificado como errado, mesmo não concordando, ela me olhava com um olhar sério, mas doce que dizia “estou com você mano”.
Brincava como uma moleca, fazia piadas, trocadilhos e como mágica transformava um lápis, um simples lápis decorado com uma fita, em um presente especial.
Hoje, apesar de talvez falhar ao omitir os nomes de mulheres importantes da minha vida, preciso reverenciar e homenagear Dulce Maria Sampaio como um exemplo de mulher que não precisa de um dia especial por fazer por si só todos os dias serem especiais.
Se eu tivesse que escolher uma palavra para definir quem foi esta mulher diria, DIGNIDADE. Beijo cósmico em você irmã querida. Escolho você hoje para homenagear todas as mulheres magnificas que eu conheço.



quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Reconhecimento da Acupuntura como Especialidade Odontológica

 
 

Desde 2008, através de uma Resolução do Conselho Federal de Odontologia (CFO 82/2008)  o Cirurgião Dentista foi habilitado para aplicar e utilizar diversas Práticas Integrativas e Complementares a Saúde Bucal, dentre elas a Acupuntura.

Habilitação, na verdade, refere-se a qualificação profissional dentro de um curso, com amplas áreas de abrangência. Do ponto de vista teórico, esta é uma situação que atende a alguns requisitos básicos, porém na prática, esta qualificação limita a atuação profissional sobre diversos aspectos.

Nos dias 13 e 14 de Outubro próximos, o CFO abre novamente a discussão sobre a possibilidade de tornar a Acupuntura uma especialidade odontológica através da Assembléia Nacional das Especialidades Odontológicas – ANEO.

Há alguns meses, os CROs de diversos Estados estão ouvindo, através de Assembleias Preparatórias Estaduais, o que os colegas das mais diferentes origens e atuações pensam sobre esta questão. No Estado de São Paulo, por unanimidade houve uma aceitação e aprovação para que isto ocorra, e em outros Estados a situação praticamente se repetiu, restando agora o crivo final que será dado na ANEO acima referida.

A Acupuntura, parte integrante da Medicina Tradicional Chinesa, é um milenar método terapêutico de origem oriental, que se baseia na estimulação de determinados pontos do corpo, através da inserção de finas agulhas

Entre diversas aplicações na odontologia, a Acupuntura possui uma efetividade comprovada na resolução de vários tipos de dor na região da boca e face (não só dores de dentes como na ATM, músculos, etc) , em lesões na mucosa bucal, para analgesia, no controle da ansiedade, nos casos de apertamento dental e bruxismo, no controle de reflexo de vômito entre outras.

Na área das Ciências da Saúde, somente a Odontologia não há o reconhecimento da Acupuntura como especialidade, o que é uma situação no mínimo estranha, para não dizer constrangedora. A Fisioterapia reconhece a especialidade desde 1985 e a Medicina desde 1995 enquanto nas outras áreas há mais de 10 anos no mínimo.  

Além dos fatores elencados, a aprovação da especialidade Acupuntura em Odontologia permite a ampliação do mercado de trabalho do Cirurgião Dentista, que poderá também atuar no Serviço Público como Acupunturista, pois a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares exige o título de especialista em Acupuntura para tal.

Atualmente, essa prerrogativa é restrita aos médicos, fisioterapeutas, enfermeiros e psicólogos. A presença maciça do CD na rede pública pode torná-lo o profissional de referência neste campo, uma vez que a especialidade seja aprovada.

Ainda como justificativa: Especialização, é uma titulação acadêmica que confere maior rigor à formação profissional, melhor controle na fiscalização, maior responsabilidade e  segurança para ambos – pacientes e profissionais.

Existe a necessidade, entre outros motivos, de respaldo legal frente ao crescente aumento, tanto no número de pessoas que procuram um atendimento complementar, indiscutivelmente eficaz e comprovado, como no número de profissionais que têm interesse em buscar novas formas de terapia.

Se você concorda, aceita, e utiliza ou quer utilizar a Acupuntura realizada por um Cirurgião Dentista Especialista, escreva um email para secretario@crosp.org.br com cópia para aneo@cfo.org.br manifestando de maneira simples o apoio e para o reconhecimento tão necessário e desejado pela classe odontológica.
A Saúde agradece, a população precisa: Acupuntura Especialidade Odontológica já!

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Mãos e Mentes, gestos e intenções

 
Na década de 90, minha filha teve um episódio de febre e falta de ar e eu fiquei ao lado dela, zelando e orando e pedindo para o Universo que passasse o sofrimento dela pra mim, que era mais “forte”. Quantos pais e mães já fizeram isto...
Tomei uma bronca de uma amiga que me indicou (e praticamente me inscreveu) em um curso de formação em Reiki. Foi uma experiência muito gratificante que tanto acrescentou na minha vida.
Creio que a possibilidade de curar, de transmitir algo de bom, paz, saúde, harmonia e cura para alguém através das mãos é um desejo antigo e inerente ao ser Humano. A sensação de impotência frente ao sofrimento alheio e, em contrapartida a possibilidade de passar “boas energias” e curar é maravilhoso.
Todas as crenças religiosas ou mesmo as não religiosas fazem de uma forma ou de outra a imposição das mãos em forma de benção. Do hebraico, benção significa exaltar, agradecer, saudar, e em linhas gerais desejo benigno para uma pessoa; Benzer, santificar.
Assim, os cristãos (do sacerdote ao praticante) estendem a mão em muitas orações. Na Igreja Messiânica através do Johrei, na Arte Mahikari pelo Okiyome   pela passe no Espiritismo e no Reiki a ideia é sempre a mesma, abençoar, servir de canal para que sejamos instrumentos do Divino com a intenção do bem.
Com o passar do tempo, vamos praticando menos e menos, entrando em ação nosso raciocínio lógico, guiando atitudes mais “racionais”, até que alguém de coragem e respeito como é o caso do médico Ricardo Monezi Julião de Oliveira, publica sua tese de mestrado pela Universidade de São Paulo sob o título “ Avaliação de efeitos da impostação de mãos sobre o sistema hematológico e imunológico de camundongos machos”  obedecendo os rígidos padrões de pesquisa em que camundongos recebiam impostação das mão e um grupo controle e um grupo placebo que recebia de mãos de mentira. O primeiro grupo obteve alterações fisiológicas significativas no controle de células cancerígenas em comparação que os dois outros grupos, concluindo que “há que se estudar por que ela ocorre” . O mesmo autor publica em 2013 sua tese de doutorado na UNIFESP estudando agora “Efeitos da prática do Reiki sobre aspectos psicofisiológicos e de qualidade de vida de idosos com sintomas de estresse : estudo placebo, randomizado” com resultados positivos também na diminuição do estresse em idosos.
Somente estes dois estudos talvez não bastem para os incrédulos, para os que duvidam. Questionar, perguntar, pesquisar é necessário, sempre, porém praticar sem preconceitos é o que os Homens de coragem fazem.
Vejo que o pensamento é o grande veículo para a prática, e o gesto complementa de forma definitiva.
Quando executamos um trabalho, qualquer que seja (empunhando um bisturi, um motor de alta rotação, uma agulha de acupuntura, uma caneta, um lápis, um formão) concentrados em fazermos o melhor, com a intenção e o gesto, manipulamos a energia e damos o nosso melhor.
Quem sabe bons pensamentos atraiam pensamentos afins e consigamos alterações físicas importantes.
Quem sabe possamos, através da vontade de servir, enviar bons fluidos  controlando nossos pensamentos e emoções e abraçarmos um pouco do Divino que habita cada um de nós.


terça-feira, 29 de outubro de 2013

Dando um tempo...

 
Faz parte da rotina diária do Cirurgião Dentista, orientar os pacientes em relação ao controle do Biofilme Bucal (placa bacteriana) como forma de tratamento/prevenção para as duas principais doenças da cavidade oral: Cárie e a Doença Periodontal.
Este controle, como sabemos, diz respeito especialmente à remoção mecânica do biofilme através do uso da escova e do fio/fita dental.
O que ninguém imagina é o quanto os profissionais enfrentam dificuldades para “vender” essa ideia ao paciente. Uma delas é convencê-lo a romper hábitos antigos relacionados à higiene oral e principalmente motiva-lo adequadamente para atingir o objetivo. Em outras palavras, convence-lo a cuidar de si mesmo.
Na maioria das vezes o paciente resiste às mudanças alegando, entre outras coisas, falta de tempo para a “tarefa”.
Por trás disso, muitas vezes se esconde alguém ansioso, inquieto, atarefado, assoberbado, impaciente, antecipado ou qualquer outro adjetivo que explique o modo pouco detalhado e apressado na hora de escovar e passar o fio dental e cair nas armadilhas que nossa mente prepara numa verdadeira “auto-sabotagem” ao bem estar. 
Vamos aos fatos:
1º - Não existe “falta de tempo”. O que existe são prioridades. A escolha é sua. Assim, ninguém sofre.
2º - Ninguém “perde tempo”. A gente tenta até correr “contra o tempo”,  “atrás do tempo”, “ganhar tempo”, mas convenhamos, isso não é uma competição e se fosse, você sempre perderia.
3º- Fazemos diversas coisas (entre elas cuidar de nós mesmos) pensando em outra coisa, sem estarmos presentes de fato e de direito, vivenciando o momento... e isso na maioria das vezes nos remete a resultados ruins.
Durante a higiene oral quase que flagramos aqueles que andam pela casa, escova na boca, para não “perder tempo”, do banheiro para a sala, para a cozinha, de volta para o banheiro e por aí vai. E se pudéssemos ouvir a enxurrada de pensamentos durante a escovação ia ser o máximo! (“preciso passar no supermercado...”,   “minha mulher me pediu para...”, “não posso esquecer de levar...” ). Foco!
E pensar que precisamos somente de 2, no máximo 3 minutos para fazer uma higiene adequada...pouco não é?
Cuidar de nós mesmos, dedicar um momento de carinho para si mesmo, aproveitar o tempo para focarmos no ato , ter atenção e investir em você. Vale a pena?
No livro “ O Poder do Agora”, Ecktart Tole escreve: Aprenda a usar o tempo nos aspectos práticos da sua vida – podemos chamar de “tempo do relógio” –, mas retorne imediatamente para perceber o momento presente, tão logo esses assuntos práticos tenham sido resolvidos. Assim, não haverá acúmulo do “tempo psicológico”, que é a identificação com o passado e a projeção compulsiva e contínua no futuro.
 
Romper velhos e inúteis hábitos, dedicar-se e colocar atenção nas tarefas e por fim colher o fruto do bem-estar. Experimente!
 
Saúde!